JOVEM MORRE APÓS USAR O TERMOGÊNICO JACK3D


Quero fazer um alerta aos jovens porque há quatro meses perdi o meu filho de 18 anos vítima do suplemento alimentar Jack3d.” O desabafo é da funcionária pública Marcelle Sampaio, 41 anos, mãe de Wilson Sampaio Júnior, que foi encontrado morto dentro do banheiro de casa, na manhã do dia 5 de maio. A família suspeita que o jovem tenha morrido em decorrência do uso do suplemento, que não tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser vendido no Brasil, mas está se tornando febre entre pessoas que querem desenvolvimento muscular a curto prazo.

Os pais de Wilsinho afirmam que o produto foi recomendado ao garoto por um professor de educação física e comprado a ele por R$ 180 nas dependências de uma badalada academia de ginástica, na Zona Sul do Recife. Os perigos do uso do Jack3d foram mostrados pelo Diario na edição do último sábado. O produto é usado como estimulante e deve ser ingerido antes dos exercícios físicos. Desmaios, mal-estar, formigamentos, picos de pressão e insônia são alguns sintomas causados em seus usuários. Mesmo assim, a cada dia o produto passa a ser consumido por mais jovens nas academias de alto padrão, o que tem preocupado médicos e especialistas.

Wilsinho sonhava em ser jogador de futebol profissional. Jogou pelo juvenil do Sport Club do Recife e estava prestes a ingressar no time juniores do Santa Cruz quando morreu. Tinha saúde plena, era atleta, alertou a mãe. “Meu filho sempre foi muito disposto e determinado a vencer. Ele já havia tomado outros suplementos alimentares por indicação do empresário dele, mas todos eram saudáveis. Depois que ele entrou na academia, um professor de lá falou que estava vendendo um produto que seria natural e que iria deixá-lo mais veloz. Meu marido foi com ele na academia e compraram o Jack3d”, detalhou Marcelle Sampaio. Na presença dos pais, Wilsinho passou a tomar o suplemento todos os dias antes de ir malhar, no final da tarde. “O rótulo, que é todo em inglês, indica que a pessoa tome uma medida antes dos exercícios, mas meu filho me disse que o professor garantiu que ele poderia colocar três medidas para tomar. Não sabemos se ele passou a tomar doses maiores depois disso”, completou Marcelle Sampaio.

“O Jack3d é composto por algumas substâncias que são usadas para tratar transtornos de ansiedade e depressão. Isso estimula as pessoas e provoca a sensação de euforia. Assim, a pessoa suporta um ritmo e intensidade de treinamento maiores”, alertou o especialista em fisiologia do exercício e consultor de atividades físicas Diego Zanon. A mãe contou que o filho estava bem em casa, no computador, quando ela foi dormir, na noite do dia 4 de maio. No dia seguinte, estranhou o fato de o computador ter ficado ligado e encontrou o filho caído no banheiro do próprio quarto.

          “Meu sobrinho era um menino bonito, cheio de vida e de sonhos. É preciso que as pessoas saibam do perigo desse produto e que as academias de musculação não sejam irresponsáveis ao ponto de deixar ele ser vendido dentro das mesmas”, declarou o tio do jovem Robson Sampaio. “Wilsinho tinha um futuro brilhante no futebol. Mas as pessoas diziam que ele precisava ganhar massa muscular. Foi aí que ele deve ter começado a tomar esse suplumento”, lembrou Carlos Augusto Cavalcanti, amigo da família.


Professores poderão ser punidos


O Conselho Regional de Educação Física (Cref) pode submeter à Comissão de Ética os profissionais que estiverem indicando e comercializando produtos proibidos como o Jack3d. Mas, para isso, é preciso que as denúncias sejam feitas ao órgão. “Essa denúncia de morte por uso de suplemento indicado por um professor e vendido dentro de uma academia é muito grave, mas até agora essa família não nos procurou. Sabemos que produtos são vendidos de forma ilegal não ficam expostos em prateleiras. Por isso, precisamos receber denúncias”, alertou a chefe da fiscalização do Cref, Rosângela Albuquerque.


Comprovadas as denúncias, professores poderão perder o registro e até responder criminalmente. A morte de Wilsinho foi comunicada à Agência Pernambuca de Vigilância Sanitária (Apevisa) através do Instituto de Medicina Legal (IML), segundo o gerente do órgão, Jaime Brito. “O IML nos encaminhou um ofício pedindo esclarecimentos sobre o Jack3d quando estavam fazendo as perícias no corpo do garoto e nós mandamos as explicações. Mas não sei dizer qual foi o resultado do laudo. Tanto a Apevisa como as vigilâncias sanitárias municipais têm obrigação de fiscalizar a venda desses produtos ilegais”, disse Brito. As denúncias ao Cref devem ser feitas pelo telefone 8653.6480 ou pelo e-mail fiscalizacao@cref12.org.br. O telefone da Apevisa é o 3181.6424


No CEARÁ o email e telefones são:

Email:cref5@cref5.org.br
Fone:++ 55 85 3262.2945
Fone Fax:++ 55 85 3234.6038


FONTE:


http://www.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20110927084059&assunto=71&onde=VidaUrbana